Quando vamos particionar um disco rígido ao instalar uma distribuição GNU / Linux, por padrão fazemos o que sempre fizemos, formatar /home e root (/) como Ext4. Vemos que também podemos fazer isso com Btrfs, mas não sabemos o que é e não confiamos. Este artigo explica o que é cada formato e as diferenças.

Ext4

O desempenho do Ext4 é bastante impressionante. O volume/partição máximo que pode ser feito com Ext4 é 1 exbibyte, o equivalente a aproximadamente 1.152.921,5 terabytes. O tamanho máximo do arquivo é de 16 tebibytes, ou aproximadamente 17,6 terabytes, que é muito maior do que qualquer disco rígido que um consumidor normal possa comprar.

Ext4 é conhecido por trazer melhorias de velocidade em relação ao Ext3 por meio do uso de várias técnicas diferentes. Como a maioria dos sistemas de arquivos modernos, é um sistema de arquivos journal, o que significa que mantém um “registro” de onde os arquivos estão no disco e de quaisquer outras alterações no disco.

Apesar de todos os seus recursos, ele não oferece suporte para compactação transparente, criptografia transparente ou desduplicação de dados. Novas versões são suportadas, mas esse recurso é experimental na melhor das hipóteses.

Theodore Ts’o, um desenvolvedor que desempenhou um papel fundamental na criação do Ext4, descreveu o Ext4 como um lançamento “paliativo” baseado em tecnologia desatualizada da década de 1970 e acreditava que o Btrfs oferecia um caminho melhor. Isso foi há mais de uma década.

Btrfs

Btrfs é um novo sistema de arquivos refeito do zero. O Btrfs existe porque os desenvolvedores queriam estender a funcionalidade de um sistema de arquivos para incluir funções adicionais, como agrupamento e somas de verificação.

O projeto começou na Oracle, mas desde então outras grandes empresas participaram do desenvolvimento. A lista inclui Facebook, Netgear, Red Hat e SUSE.

Embora as melhorias encontradas no Btrfs possam beneficiar os consumidores em geral, alguns dos recursos adicionais são de maior interesse para uso comercial. Essas funcionalidades destinam-se a casos de uso mais exigentes, que muitas vezes também requerem discos rígidos mais duráveis.

Para organizações que executam programas muito grandes com bancos de dados enormes, ter um sistema de arquivos robusto e aparentemente confiável em vários discos rígidos pode tornar a consolidação de dados muito mais fácil. A desduplicação de dados reduziria a quantidade real de espaço que os dados ocupariam, e a duplicação de dados seria mais fácil quando há um único sistema de arquivos grande que precisa ser duplicado.

Claro, você ainda pode escolher criar várias partições para que não precise duplicar tudo. O tamanho máximo da partição de um sistema de arquivos Btrfs é 16 exbibytes e o tamanho máximo do arquivo também é 16 exbibytes.

Considerando que o Btrfs será capaz de abranger vários discos rígidos, é positivo que ele suporte 16 vezes mais espaço em disco do que o Ext4.

Conclusão

O Btrfs tem sido uma parte estável do kernel do Linux desde 2013, e você pode reformatar seus discos rígidos usando o sistema de arquivos hoje. Mas o Btrfs não é de forma alguma o sistema de arquivos padrão para GNU/Linux. A maioria das distribuições ainda usa Ext4 como padrão.

Por quê? Os arquivos são os bits de dados mais importantes em seu disco rígido. Os dados pessoais são insubstituíveis. Você pode reinstalar um sistema operacional e baixar os aplicativos novamente, mas sem um backup, os arquivos perdidos desaparecem para sempre. É por isso que é crucial que um sistema de arquivos seja comprovadamente confiável antes que milhões de pessoas o usem por padrão.

Ext4 pode ser antigo e possivelmente pesado, mas também provou ser robusto e confiável. Se houver queda de energia e o computador desligar, o Ext4 provavelmente manterá os dados salvos em segurança.

Para a maioria das pessoas, essas situações são o fator mais importante. Não se trata do desempenho de um sistema de arquivos quando as coisas vão bem, mas do que acontece quando as coisas dão errado.

Compartilhe
Categorias: Artigos

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *